Antes que você me diga “ok, então me dê o seu dinheiro”, explico que o clichê está aí para justificar milhares de pedidos de demissão.

Enquanto as empresas tentam manter seus profissionais, num mercado que se aproxima do pleno emprego, 48% dos brasileiros se dizem infelizes no trabalho, de acordo com pesquisa da consultoria multinacional de recursos humanos Right Management, divulgada recentemente na Revista Época. Entre as mulheres, o número dispara. 59% estão insatisfeitas.

Outra pesquisa, do Instituto Quórum, constata algo bem interessante: ao escolher um emprego, o salário e as expectativas de promoções são os aspectos que mais contam. Ao deixá-lo, esses mesmos fatores aparecem apenas em quinto lugar em reclamações. O que mais influencia no pedido de demissão são o clima, o chefe e a falta de prazer com as atividades do dia a dia.

Portanto, antes de aceitar um novo desafio profissional, lembre-se bem do nosso clichê. Investigue como anda a satisfação de seus futuros colegas e a rotatividade da vaga que lhe propuseram.
Dinheiro é muito bom, mas não compensa a falta de bem estar.

Anúncios