O feedback, se usado corretamente, é uma ferramenta muito valiosa para fortalecer a relação entre as pessoas e desenvolvê-las.

O que vejo quando dou treinamentos em empresas, no entanto, é bem diferente. O feedback é quase sempre confundido com bronca.

Para ser eficaz, é preciso entendê-lo como um processo, não uma intervenção pontual.

1.Elaboração de um plano
Planeje e mapeie a situação; pense bem no que dizer e dê o feedback com exemplos objetivos, pensando em possíveis alternativas e soluções – evitando, porém, sugerir excessivamente.

2. Abordagem específica
Seja objetivo e vá direto ao ponto. Não perca tempo com rodeios e suposições.

3. Foco em comportamentos
Paute o feedback no que a pessoa fez, não no que ela é ou você pensa que ela seja.

4. Escolha hora e local
O retorno deve ser ágil, logo após o ocorrido, e feito em local apropriado. O clima deve ser o mais agradável possível.

5. Feedback equilibrado
Equilibre o feedback positivo (reforçar comportamento adequado) e o corretivo (modificar comportamento).

6. Controle emocional
Cuide para não dar feedback de cabeça quente ou na frente dos outros. Foque-se também no aqui e no agora, não em fatos passados. Se quem estiver recebendo o feedback se alterar, pare e retome em outro momento.

7. Uso de técnicas eficientes
Faça contato visual, seja direto, faça feedback equilibrado e se foque nas questões essenciais.

8. Estilo eficaz
Crie a sua própria maneira de dar o feedback, observando as melhores práticas. Com o tempo, você acaba desenvolvendo um estilo próprio.

9. Descrição de sentimentos
Diga como você se sente quando a pessoa tem aquele tipo de comportamento, evitando palavras que sugiram tristeza, decepção… ou julgamentos. Prefira: “fico preocupado…”, “pensativo…”. E passe as suas percepções.

10. Capacidade de ouvir
Encoraje a outra pessoa a expressar seu ponto de vista e então escute atentamente o que ela diz. Isso requer a habilidade de fazer perguntas genéricas que estimulem o outro a dizer o que pensa.

Anúncios