Há alguns dias, tive a oportunidade de passar horas conversando e, principalmente, ouvindo o sociólogo italiano Domenico de Masi. Uma das pessoas mais fascinantes que conheci.

Ele é o defensor do ócio criativo como forma de atingirmos a plenitude em nossas atividades e estimularmos a criatividade. A sugestão é de que a todo momento devemos unir diversão, estudo e trabalho – seja quando estamos trabalhando, estudando ou nos divertindo. Para tanto, é preciso rompermos as fronteiras horárias de nossas obrigações: contemplar uma bela paisagem através da janela pode ser perfeitamente também um tempo de estudo e trabalho.

Trecho de O Ócio Criativo – Domenico de Masi
“O trabalho poderá tornar-se uma fonte de felicidades, como já o é para muitos empresários e altos executivos, se as empresas transformarem a competitividade em competência e a destrutividade em relações solidárias. Se elas forem mais cuidadosas com a estética de seus ambientes e objetos de trabalho. Se adotarem boas maneiras nas relações interpessoais e introduzirem um pouco da alma feminina em seus castelos embarricados pelos homens. Se abrirem uma brecha nos seus muros de proteção permitindo a entrada de um pouco de ar puro. Aí sim, o trabalho, junto ao calor do convívio cordial se tornará uma oportunidade para a socialização, o prazer e a melhoria contínua da qualidade da vida. Igualmente, para que a empresa tenha este carisma será sempre necessária a presença de chefes que incutam o entusiasmo, liberem os grupos dos procedimentos inúteis, gratifiquem os criativos, olhem para o futuro, promovam a inovação e tenham coragem de enfrentar o desconhecido. Para tanto, as condições ideais ainda são aquelas descritas por Platão em O banquete: comodidade, um grupo de amigos criativos, paixão pela beleza e pela verdade, liberdade carismática, tempo à disposição sem a angústia de prazos e vencimentos improrrogáveis. Felicidade, afinal, consiste também no fato de não ter prazos a cumprir. Precisamos, portanto, educar as pessoas para o ócio, enriquecendo as coisas de significado, preparando-as para gozarem a vida e não, apenas, para exercerem profissões. Enfim, para descobrirem que o paraíso existe e que é aqui na terra. Mas o inferno também existe e consiste em não se dar conta de que vivemos num paraíso.”

Anúncios