Nos meus treinamentos e atendimentos de coaching, recomendo que, diante de um desafio, evitemos pessoas negativas, aquelas que minam nosso entusiasmo.

O ideal seria evitá-las sempre e conviver apenas com gente otimista, mas os pessimistas costumam estar por todo lugar: na empresa, na família, entre os amigos. Portanto, o melhor a se fazer é evitar falar de objetivos ainda não concluídos com essas pessoas; prefira assuntos genéricos que não envolvam a sua motivação.

O contágio da energia
Algumas correntes da física quântica defendem que o mundo, pelo menos em parte, é criado pela nossa mente. Como somos compostos de partículas e energia, seríamos capazes de alterar nossa própria matéria, criando doenças e curas, nos programando para o sucesso ou para o fracasso…

Ou seja, de um modo bem geral, fazemos com a nossa vida aquilo que pensamos para ela. “Se você pensa que pode ou se pensa que não pode, de qualquer forma você está certo”, disse Henry Ford.

Como nossas interações se dão também por ondas de energia, as pessoas ao redor podem influenciar nosso comportamento.

Metrônomos dissonantes e o poder do contágio
Metrônomo é aquele dispositivo usado para marcar o tempo musical que, depois de configurado, produz pulsos de duração regular.

O vídeo abaixo, indicado pela amiga Fabíola Berger, mostra algo bem interessante. São 32 metrônomos dissonantes (cada um começando a marcar os pulsos em um ritmo diferente). Colocados sobre uma superfície móvel, em questão de minutos eles começam a marcar o ritmo sincronizadamente.

Tanto energia “positiva” quanto a “negativa” são contagiantes. Escolha bem os metrônomos ao seu redor.

Anúncios