Hoje é um dia muito especial para o blog. É a chegada de um novo parceiro!

Nicolai Cursino é consultor, treinador e palestrante respeitado no mundo todo em PNL, Eneagrama, Coaching, Hipnose… Meu professor na jornada e meu amigo de alma.

O texto presenteado hoje trata da coragem. Enquanto eu iniciava essa introdução, recebi de outro amigo um trecho do Eduardo Galeano que reflete lindamente sobre isso também:

“O mundo é um montão de gente, um mar de foguinhos. Não existem dois fogos iguais. Cada pessoa brilha com sua luz própria entre todas as outras. Existem fogos grandes, fogos pequenos e fogos de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem fica sabendo do vento. E existe gente de fogo louco, que enche o ar de faíscas. Alguns fogos, fogos bobos, não iluminam nem queimam. Mas outros… ardem a vida com tanta vontade que não se pode olhá-los sem pestanejar. E quem se aproxima, se incendeia”.

À beira do precipício

ni2por Nicolai Cursino

Como escreveu o poeta francês Guillaume Apollinaire…

“Venham para a beira.”
“Não podemos. Temos medo.”
“Venham para a beira.”
“Não podemos. Vamos cair!”
“Venham para a beira.”
E eles foram.
E ele os empurrou.
E eles voaram.
Venham. Vamos, voar juntos.”

Há algum tempo que me inspiro nos versos acima nos momentos de indecisão.

Tenho passado por muitas situações onde as perguntas “Devo arriscar? Devemos dar esse passo?” se colocam à minha frente, e cada uma das vezes, a mesma sensação de escuridão aparece, e a cabeça recua.

E em um instante outras centenas de perguntas: “Como posso ter certeza de que isso vai dar certo? Não estamos arriscando tudo que já conseguimos? E se perdermos dinheiro, e nossa vida ficar mais difícil? E se o buraco for grande demais? Poderá nos engolir?

E mesmo que a cabeça recue, o coração avança. Agir pelo coração, coragem (coeur = coração, age = ação), é também não ouvir seus próprios pensamentos, quando não te levam ao caminho mais alto. É preciso saber distinguir a voz interna que critica e paralisa (inner critic) da voz interna que orienta e encoraja (inner coach).

E então eu me lembro que a beira do precipício é também o melhor lugar para começar um grande vôo. E é onde a vista é mais bonita.

Essa é uma visão que costumo compartilhar incessantemente com meus clientes de Coaching. Todos eles, em vários momentos do processo de transformarem suas vidas, suas profissões, seus relacionamentos, se vêem à beira de seus próprios precipícios.

Todos nós nascemos para voar, sem exceção, mas só descobrem isso aqueles que se jogam no ar.

Tenho acompanhado pessoas que estão há muitos anos sentadas à beira, pensando, lendo, conversando, medindo o tamanho do buraco, a velocidade do vento, e simplesmente não voam.

Outros novatos vieram correndo e se atiraram, sem mesmo esperar suas asas crescerem, e fizeram um grande estrago. Alguns até hoje pensam que voar é impossível, pois somos mais pesados que o ar.

Quais são os precipícios da sua vida hoje?

Uma mudança de carreira, de empresa, de país? Um novo relacionamento amoroso, uma nova amizade? Um novo estilo de vida, um novo compromisso, um filho?

Você o consegue ver? Está ainda no pé da montanha, parado pensando ou no alto, preparado para voar?

Seja como estiver, preste bastante atenção ao seu redor. Fique atento se alguém se aproximar de você.

Pois se eu estiver passando por aí, eu vou te empurrar.

E depois não diga que eu não avisei!

Publicado em: Portal Carreira & Sucesso
Anúncios